Quem está no intervalo do Super Bowl? Shakira e Jennifer Lopez entre uma série de artistas |

Quem está no intervalo do Super Bowl? Shakira e Jennifer Lopez entre uma série de artistas |


O SUPER BOWL está se aproximando rapidamente e os fãs se reunirão em todo o mundo para testemunhar o grande espetáculo se desenrolar.

O que é tão popular quanto o jogo atual é o tradicional show do intervalo do Super Bowl, que vê uma estrela subir ao palco exibindo uma exibição fascinante para os milhões de fãs presentes e assistindo em todo o mundo.

Mas quem será na extravagância da NFL este ano? >Leia Mais<

Brexit revive a Batalha da Independência da Escócia

Brexit revive a Batalha da Independência da Escócia


ESTADOS UNIDOS (NOTÍCIAS OBSERVATÓRIAS) – Quase seis anos após a questão da separação das urnas do Reino Unido, o Brexit deu um novo impulso aos apoiadores da independência escocesa, determinados a reabrir o debate, apesar da firme posição de Londres a esse respeito.

Brexit revive a Batalha da Independência da Escócia 1
Arquivo AFP

Com a data inevitável se aproximando após anos de atraso, a saída do Reino Unido da União Europeia não será aceita na Escócia e na Irlanda do Norte, as duas províncias que votaram contra o Brexit no referendo de 2016, levantando temores de um colapso na unidade do país. >Leia Mais<

10 coisas sobre curar escolas médicas não ensinam médicos - mas deveriam

10 coisas sobre curar escolas médicas não ensinam médicos – mas deveriam

10 coisas sobre curar escolas médicas não ensinam médicos - mas deveriam 2

Eu me formei na faculdade de medicina em 1995, mas não foi até 2009, dois anos depois que eu deixei meu emprego como ginecologista / obstetra e deixei o hospital para estudar medicina mente-corpo, psiconeuroimunologia, efeito placebo, xamanismo, cura energética e terapias de trauma de ponta, que li pela primeira vez o médico de Bernie Siegel Amor, Medicina e Milagres. Quando olhei para a data de publicação (1986), senti-me enganado. Por que este lindo livro sobre como otimizar os resultados de saúde para pacientes com câncer não foi necessário ler na minha escola de medicina? Meu pai era médico. Tive diplomas da Duke University, da University of South Florida e da Northwestern University. Por que eu nunca tinha ouvido falar do que esse cirurgião de Yale estava ensinando? >Leia Mais<

Os probióticos reduzem significativamente a calprotectina fecal em crianças e adultos com fibrose cística.

Os probióticos reduzem significativamente a calprotectina fecal em crianças e adultos com fibrose cística.

PMID:
    
            
                    Cochrane Database Syst Rev. 2020 22 de janeiro; 1: CD012949. Epub 2020 22 de janeiro. PMID: 31962375
        

      Título do resumo:
    
            
                    Probióticos para pessoas com fibrose cística.
        

      Abstrato:
    
            
                    FUNDAMENTO: A fibrose cística (FC) é uma doença multissistêmica e a importância do crescimento e nutrição está bem estabelecida, dadas as implicações para a função pulmonar e a sobrevida global. Foi estabelecido que disbiose intestinal (isto é, desequilíbrio microbiano) e inflamação estão presentes em pessoas com FC. Probióticos estão disponíveis comercialmente (sem receita) e podem melhorar a saúde intestinal e geral. OBJETIVOS: Avaliar a eficácia e a segurança dos probióticos para melhorar os resultados de saúde em crianças e adultos com FC. MÉTODOS DE PESQUISA: Pesquisamos a fibrose cística de Cochrane. Registro de ensaios, compilado a partir de pesquisas eletrônicas em bancos de dados e pesquisa manual de revistas e livros de resumo de conferências. Data da última pesquisa de registro: 20 de janeiro de 2020. Também pesquisamos registros de ensaios em andamento e as listas de referência de artigos e análises relevantes. Critérios de seleção: Ensaios clínicos randomizados ou quase randomizados (ECR) que avaliam a eficácia e a segurança dos probióticos em crianças e adultos com FC. ECRs cruzados com uma fase de lavagem foram incluídos e, para aqueles sem período de lavagem, apenas a primeira fase de cada estudo foi analisada. COLETA E ANÁLISE DE DADOS: Extraímos independentemente os dados e avaliamos o risco de viés dos estudos incluídos; usamos GRADE para avaliar a certeza das evidências. Entramos em contato com os autores do estudo para obter dados adicionais. Meta-análises foram realizadas sobre os resultados em vários momentos. PRINCIPAIS RESULTADOS: Identificamos 17 estudos e incluímos 12 ensaios clínicos randomizados (11 concluídos e um protocolo de estudo – este estudo foi encerrado precocemente) (464 participantes). Oito ensaios incluíram apenas crianças, enquanto quatro ensaios incluíram crianças e adultos. A duração do estudo variou de um a 12 meses. Nove ensaios clínicos compararam um probiótico (sete de cepa única e três preparações com múltiplas condutas) com uma preparação com placebo, dois ensaios compararam um simbiótico (multistrain) com uma preparação com placebo e um ensaio comparou duas preparações com probióticos. No geral, julgamos baixo o risco de viés nos 12 ensaios. Três ensaios tiveram um alto risco de viés de desempenho, dois ensaios com alto risco de viés de atrito e seis ensaios com alto risco de viés de relatório. Apenas dois ensaios foram considerados como tendo risco baixo ou pouco claro de viés para todos os domínios. Quatro estudos foram patrocinados apenas por doações, dois estudos apenas pelo setor, dois estudos pelo setor e pelo setor e três estudos tiveram uma fonte desconhecida de financiamento. Dados combinados de quatro estudos (225 participantes) sugeriram que os probióticos podem reduzir o número de exacerbações pulmonares durante um período de quatro a 12 meses, diferença média (MD) -0,32 episódios por participante (intervalo de confiança de 95% (IC) -0,68 a 0,03 ; P = 0,07) (evidência de baixa certeza); no entanto, o IC95% inclui a possibilidade de um número aumentado e reduzido de exacerbações. Além disso, dois estudos (127 participantes) não encontraram evidências de um efeito na duração da antibioticoterapia durante o mesmo período. Dados combinados de quatro estudos (177 participantes) demonstraram que os probióticos podem reduzir a calprotectina fecal, MD -47,4 µg / g (IC 95% -93,28 a -1,54; P = 0,04) (evidência de baixa certeza), mas os resultados para outros biomarcadores principalmente não mostrou nenhuma diferença entre probióticos e placebo. Dois ensaios (91 participantes) não encontraram evidências de efeito na altura, peso ou índice de massa corporal (evidência de baixa certeza). Dados combinados de cinco estudos (284 participantes) sugeriram que não havia diferença na função pulmonar (volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF)% previsto) durante um período de três a 12 meses, MD 1,36% (IC95% -1,20 a 3,91; P = 0,30) (evidência de baixa certeza). Dados combinados de dois estudos (115 participantes) sugeriram que não houve diferença nas taxas de hospitalização durante um período de três a 12 meses, MD -0,44 admissões por participante (IC95% -1,41 a 0,54; P = 0,38) (baixo evidência de certeza). Um estudo (37 participantes) relatou qualidade de vida relacionada à saúde e, enquanto o relatório dos pais favoreceu os probióticos, SMD 0,87 (IC 95% 0,19 a 1,55), o autorrelato da criança não identificou nenhum efeito, SMD 0,59 (IC 95% -0,07 a 1,26) (evidência de baixa certeza). Houve resultados limitados para sintomas gastrointestinais e perfil microbiano intestinal que não foram analisáveis. Apenas quatro ensaios e um protocolo (298 participantes) relataram eventos adversos como hipóteses a priori. Nenhum estudo relatou nenhuma morte. Um estudo finalizado (12 participantes e disponível apenas como protocolo) relatou uma reação alérgica grave (urticária grave) para um participante do grupo probiótico. Dois estudos relataram um único evento adverso cada (vômito em uma criança e diarréia em uma criança). O número estimado necessário para causar danos por qualquer reação adversa (séria ou não) é de 52 pessoas (evidência de baixa certeza). AUTORES & # 039; CONCLUSÕES: Os probióticos reduzem significativamente a calprotectina fecal (um marcador de inflamação intestinal) em crianças e adultos com FC, no entanto, as implicações clínicas disso requerem uma investigação mais aprofundada. Os probióticos podem fazer pouca ou nenhuma diferença nas taxas de exacerbação pulmonar, no entanto, mais evidências são necessárias antes que conclusões firmes possam ser feitas. Os probióticos estão associados a um pequeno número de eventos adversos, incluindo vômitos, diarréia e reações alérgicas. Em crianças e adultos com FC, os probióticos podem ser considerados pelos pacientes e seus profissionais de saúde. Dada a variabilidade da composição e dosagem dos probióticos, são necessários mais ECRs multicêntricos de potência adequada, com duração de pelo menos 12 meses, para melhor avaliar a eficácia e a segurança dos probióticos em crianças e adultos com FC.

consulte Mais informação