Combatendo infecções intestinais com os próprios endocanabinóides do corpo

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Produtos químicos nativos semelhantes aos encontrados na cannabis podem inibir a virulência bacteriana, sugere estudo liderado por pesquisadores da UTSW

Endocanabinóides, moléculas sinalizadoras produzidas no corpo que compartilham características com substâncias químicas encontradas na maconha, podem desligar genes necessários para que algumas bactérias intestinais patogênicas colonizem, se multipliquem e causem doenças, mostra uma nova pesquisa liderada por cientistas da UT Southwestern.

As descobertas, publicadas online hoje na Cell, podem ajudar a explicar por que a planta cannabis – a parte mais potente da qual é a maconha – pode diminuir os sintomas de várias doenças intestinais e pode eventualmente levar a novas maneiras de combater infecções gastrointestinais.

Descobertos em 1992, os endocanabinóides são neurotransmissores baseados em lipídios que desempenham uma variedade de funções no corpo, incluindo a regulação da imunidade, do apetite e do humor. A cannabis e seus derivados são usados ​​há muito tempo para aliviar doenças gastrointestinais crônicas, incluindo a síndrome do intestino irritável e doenças inflamatórias do intestino. Estudos demonstraram que a desregulação do sistema endocanabinóide do corpo pode levar à inflamação intestinal e afetar a composição da microbiota intestinal, a população de diferentes espécies bacterianas que habitam o trato digestivo.

No entanto, a líder do estudo Vanessa Sperandio, Ph.D., professora de microbiologia e bioquímica da UTSW, diz que não se sabe se os endocanabinóides afetam a suscetibilidade a infecções gastrointestinais patogênicas.

Combatendo infecções intestinais com os próprios endocanabinóides do corpo 3

Os receptores canabinoides de mamíferos (CB1 e CB2) detectam endocanabinoides endógenos e canabinoides de plantas e sintéticos para gerar uma resposta no hospedeiro que leva à diminuição da inflamação, motilidade e secreção intestinal e aumento do apetite. Os endocanabinoides de mamíferos também são detectados por um receptor canabinoide bacteriano para diminuir a virulência de patógenos entéricos.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Para ajudar a responder a esta pergunta, Sperandio e seus colegas trabalharam com camundongos geneticamente modificados para superproduzir o potente endocanabinóide 2-araquidonoil glicerol (2-AG) em vários órgãos, incluindo o intestino. Quando os pesquisadores infectaram esses animais e seus companheiros de ninhada não modificados com Citrobacter rodentium, um patógeno bacteriano que ataca o cólon e causa inflamação e diarreia marcantes, os camundongos mutantes desenvolveram apenas sintomas leves em comparação com o sofrimento gastrointestinal mais extremo exibido por seus irmãos de ninhada. O exame dos cólons dos animais mutantes mostrou muito menos inflamação e sinais de infecção. Esses ratos também tinham cargas fecais significativamente mais baixas de bactérias C. rodentium e limparam sua infecção dias mais rápido do que seus companheiros de ninhada não modificados. O tratamento de animais geneticamente não modificados com uma droga que aumenta os níveis de 2-AG no intestino produziu efeitos positivos semelhantes.

A equipe de Sperandio descobriu que níveis elevados de 2-AG também podem atenuar infecções por Salmonella typhimurium em camundongos e impedir Escherichia coli enterohemorrágica – uma bactéria gastrointestinal particularmente perigosa que infecta humanos – a fim de expressar os traços de virulência necessários para uma infecção bem-sucedida.

Por outro lado, quando os pesquisadores trataram células de mamíferos em placas de petri com tetraidrolipstatina, um composto aprovado pela Food and Drug Administration vendido comercialmente como Alli que inibe a produção de 2-AG, elas se tornaram mais suscetíveis aos patógenos bacterianos.

Outros experimentos mostraram que o 2-AG exerceu esses efeitos em C. rodentium, S. typhimurium e E. coli, bloqueando um receptor bacteriano conhecido como QseC. Quando esse receptor detecta as moléculas de sinalização do hospedeiro, epinefrina e norepinefrina, ele dispara uma cascata molecular necessária para estabelecer a infecção. Conectar este receptor com 2-AG impede que este programa de virulência seja ativado, explica Sperandio, ajudando a proteger contra infecções.

Sperandio observa que essas descobertas podem ajudar a explicar alguns dos efeitos do uso de cannabis nas condições inflamatórias do intestino. Embora estudos tenham mostrado que a cannabis pode reduzir a inflamação, pesquisas recentes mostraram que essas condições também tendem a ter um componente bacteriano que pode ser afetado positivamente pelos canabinóides vegetais.

Além disso, compostos de cannabis ou derivados sintéticos podem eventualmente ajudar os pacientes a combater infecções bacterianas intestinais sem antibióticos. Isso poderia ser particularmente útil para infecções causadas por Escherichia coli enterohemorrágica, diz Sperandio, que produz uma toxina mortal quando tratada com antibióticos, tornando essas drogas não apenas contraproducentes, mas extremamente perigosas. Como muitas bactérias virulentas que colonizam áreas em outras partes do corpo também têm o receptor QseC, ela acrescenta, essa estratégia poderia ser usada de forma mais ampla para combater uma variedade de infecções.

“Aproveitando o poder dos compostos naturais produzidos no corpo e nas plantas”, diz ela, “podemos eventualmente tratar infecções de uma maneira totalmente nova”.

Fontes:
UT Southwestern

CLIQUE AQUI para ver canabinóides puros de cânhamo cultivado organicamente



cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br
Leia Também  Como auto-administrar efeitos Placebo