A “guerra” contra a COVID • O Blog de Berkeley

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Especialistas e políticos passaram semanas dizendo que o país está “em guerra” com o COVID-19. Em um nível, essa retórica da “Guerra Mundial COVID” é absurda. Afinal, o vírus não possui tanques ou armas. No entanto, as questões de governança são semelhantes. O governo civil normal – construindo uma ponte, digamos, ou aprimorando o Medicare – é incremental. O progresso vem de pequenas etapas com riscos previsíveis. As guerras, por outro lado, forçam os líderes a fazer apostas grandes e imprevisíveis. Como observou o general prussiano Helmuth von Moltke, “nenhum plano de batalha sobrevive ao primeiro contato com o inimigo”.

Para a COVID, os riscos são principalmente sobre ignorância. Para dar apenas um exemplo, considere que as simulações de ponta da Universidade de Washington alertam que os casos reais podem variar de 60 a 75% em ambos os lados. Isso é perturbador, e gostamos de pensar que um líder inteligente pode adivinhar o número “real” com mais precisão. Mas ela pode? O objetivo das simulações é mostrar quais resultados esperar em toda a gama de suposições razoáveis. Assim, os líderes que insistem em adivinhar às vezes têm sorte. Mas eles não conseguem vencer as probabilidades da casa de forma consistente, e devemos esperar reveses, independentemente de quem nos liderar.

Dito isto, alguns líderes são melhores que outros. A história militar nos ensina a julgá-los por pelo menos quatro questões cruciais.

A primeira é se o país deve declarar guerra. Logo após o 11 de setembro, o cientista político John Mueller escreveu um livro alegando que a resposta americana havia sido “exagerada”. Afinal, mais pessoas morrem em banheiras do que ataques terroristas. Mas é claro que esse nunca foi o problema. O que realmente nos importa é quantos americanos teriam morrido sem a Guerra ao Terror. Para a COVID, isso parece fácil. Afinal, economistas e reguladores normalmente assumem que vidas humanas valem US $ 9 milhões cada e um curto e nítido distanciamento social deve custar aproximadamente um mês ao PIB (US $ 2 trilhões). Coloque os números juntos, e o país deve declarar guerra se, caso contrário, perdesse dois milhões de americanos. Isso é facilmente possível nos modelos mais simples, onde 60% da população acaba sendo infectada com um por cento de mortalidade. Dado que o modelo real poderia ser mais otimista, os céticos deveriam arcar com o ônus de mostrar que isso é verdade.

Leia Também  O Estado é o Seu Próprio: O Problema do "Serviço Nacional"

As próximas duas questões dizem respeito a “vencer”, ou seja, como os resultados reais se comparam a não fazer nada. Uma questão é quão bem a sociedade usa o que sabe. Os militares tentam pensar nos problemas antes do tempo e depois dizem aos soldados “para lutarem como você treina”. Aqui, o ponto de interrogação COVID mais óbvio envolve máscaras faciais. Os países asiáticos concluíram há muito tempo que as máscaras melhoravam o distanciamento social. No entanto, os EUA só os abraçaram na semana passada. O governo falhou em fazer sua lição de casa?

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

A terceira questão é a rapidez com que os países aprendem e se adaptam. Muitas guerras começam desastrosamente, então bons líderes devem ser capazes de abandonar más idéias rapidamente. Essa é a essência do conselho de Napoleão de que os comandantes devem “nunca reforçar o fracasso”. De maneira mais geral, os líderes também devem ser decisivos. Você não pode aprender a menos que ocasionalmente falhe. Finalmente, os líderes que encontrarem uma fórmula vencedora devem cumpri-la. A “Doutrina Powell” do Pentágono adverte que o aprimoramento de uma estratégia bem-sucedida para extrair economias extras é insensato e tolo. Por outro lado, os líderes devem evitar a tentação de “rastejar pela missão” de esticar uma estratégia de trabalho em busca de objetivos cada vez maiores. Este é o momento errado para experimentar o Medicare-for-All ou o Green New Deal.

O pior de tudo é que as guerras são dinâmicas: uma estratégia pode ser apropriada em um dia e desatualizada no dia seguinte. Provavelmente, a parte mais difícil será saber quando o sucesso é durável o suficiente para que o país possa começar a voltar ao normal. Olhando para trás, FDR cronometrou esse momento exatamente certo, deixando a produção de guerra atingir o pico em 1944 sem atrasar a vitória. Conseguir isso certo para a COVID será o maior teste de todos.

Leia Também  Nacionalismo como libertação nacional: lições do fim da guerra fria

A questão final envolve pessoal. Toda burocracia em tempos de paz acumula madeira morta, então devemos esperar um certo número de disparos desde o início. No entanto, também sabemos que até os melhores comandantes fracassam e todos os disparos são perturbadores. Lincoln demitiu seis generais antes de contratar Ulysses S. Grant. Os historiadores geralmente concordam que alguns (Burnside) eram incompetentes, outros (McClellan) tímidos e outros (Meade) podem ter sido demitidos por engano. Independentemente disso, o gênio duradouro de Lincoln era apoiar Grant – não é uma tarefa fácil, dada a desastrosa perda precoce desta na Igreja Shiloh e as altas contagens de baixas a partir de então.

O que deixa a maior questão de todas: quando os eleitores devem demitir o próprio presidente? As guerras tornam todos os riscos avessos, e parece claro que os americanos nunca teriam concordado com os terceiro e quarto termos de FDR sem a sombra de uma guerra mundial. Apesar disso, podemos imaginar alguns eleitores comparando os pronunciamentos de Biden e Trump e desejando uma mudança, especialmente se a crise parecer estar diminuindo. Até agora, pelo menos, a maior parte do apontamento de dedos girou em torno do atraso do CDC na produção de kits de teste. No momento, sabemos muito pouco sobre se o presidente poderia ter sido capaz de aprender e reverter essa incompetência burocrática.

Enquanto isso, a história oferece um precedente que todo americano pode admirar. O então congressista Harry Truman se tornou uma figura nacional investigando a corrupção na Segunda Guerra Mundial. No entanto, o sucesso do Comitê Truman foi mais do que economizar dinheiro. Seu verdadeiro triunfo estava em convencer um público cético de que investigaria falhas de maneira imparcial e sem considerar a política. Esperamos que os congressistas tragam uma atitude semelhante à COVID da Guerra Mundial. Suspeita-se que houve muitas falhas nos dois partidos políticos. Só agravará a tragédia se insistirmos em ignorar metade dessas lições por medo de ferir nossos amigos ideológicos na próxima eleição.

Leia Também  Perspectivas da Zona Euro (fevereiro de 2020)

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br